+ Notícias

  • Crédito: Clive Brunskill/Getty Images Sport.

    Sob a batuta de Marian Vajda, Novak Djokovic retornou ao topo do ranking mundial.

"Quanto tempo preciso para voltar ao topo?", perguntou Djoko à Vajda

Treinador eslovaco confessa todas as dificuldades durante o período de recuperação do número um
Por: Redação - 01/12/2018 15:08:11
179 visualizações

Melhor tenista da temporada do circuito masculino, Novak Djokovic foi protagonista de um roteiro de superação em 2018. Um dos responsáveis pelo retorno triunfal do sérvio depois da cirurgia no cotovelo direito foi Marian Vajda. Em entrevista ao jornal suíço Berner Zeitung, o treinador eslovaco revelou toda a caminhada até a volta ao topo do mundo.

“O Novak estava cheio de dúvidas”, começa Vajda, sobre o período logo após a cirurgia no cotovelo “O conheço há muitos, muitos anos, mas foi como começar do zero. Foi uma sensação estranha. O mais difícil para ele foi a comparação que havia de quem ele era. Tive de evitar esses pensamentos, esse foi o meu maior desafio”, revela.

Competitivo, Novak Djokovic mirou os títulos e o topo do ranking mundial desde o princípio da recuperação. “No primeiro dia, ele perguntou. ‘Marian, de quanto tempo é que eu preciso para voltar a ser eu?’. Respondi. ‘O que é que quer que responda? Acabei de voltar, não sou bruxo. Isso é um processo’. Nunca pensei que aconteceria tão rápido”, conta o treinador.

Além do aspecto físico, Marian Vajda teve que cuidar do psicológico de Novak Djokovic, que estava ansioso para atingir os melhores resultados. “Tive de acalmá-lo primeiro, trabalhamos juntos durante onze anos, sei como lidar com ele. Eu disse. ‘É um campeão. Temos de encontrar as nossas rotinas novamente. Temos de ultrapassar esta fase difícil”, lembra.

Depois da eliminação para o italiano Marco Cecchinato nas quartas de final do Grand Slam de Roland Garros, Marian Vajda e Novak Djokovic estudaram a possibilidade de disputar a temporada da grama e o Major de Wimbledon.

“Dois ou três dias depois, ele ligou e disse. ‘Decidi jogar’. A questão seria se jogaríamos Wimbledon, Halle ou Queen’s. Optamos por Queen’s e quando pisou pela primeira vez na grama, ele esqueceu de tudo o que estava para trás. Apesar de perder na final contra o [Marin] Cilic, o torneio deu-lhe muita confiança”, exalta.

Para Marian Vajda, o ponto de virada de Novak Djokovic na temporada 2018 foi a vitória sobre Rafael Nadal no All England Club. “Mas se tivesse de escolher um encontro que o fez finalmente despertar, seria a semifinal de Wimbledon contra o Rafael Nadal. Foi incrível. Essa vitória fez ele acreditar. Ele não teve mais medo de perder”, confia.

Desde o tetracampeonato do Grand Slam de Wimbledon, Novak Djokovic tornou-se um tenista praticamente imbatível na temporada. Na gira norte-americana, o sérvio conquistou o Golden Masters, com o título em Cincinnati, faturou o tricampeonato do US Open, levantou o troféu em Xangai e encerrou uma temporada na liderança do ranking mundial pela quinta vez na carreira.

Compartilhe



Veja também...

    Deixe um comentário

    Seu e-mail não será publicado. Campos Obrigatórios *

    Publicidade
    Publicidade
    Publicidade